Portal Vital

911 Matérias - 433 Likes - 2718 Comentários RSS

Os hormônios são responsáveis pela queda de libido em muitas mulheres, principalmente durante períodos pré-menstruais, a gestação ou a amamentação, além do climatério,  a transição do período reprodutivo para o não reprodutivo.

 

“Nessa fase, o apetite sexual cai e não volta mais ao normal como acontece em outros momentos da vida”, diz Carmita Abdo, coordenadora do Programa de Estudos da Sexualidade da Universidade de São Paulo (USP).

 

Mais motivos

 

Outros fatores, no entanto, também influenciam e é importante saber os principais.

 

Doenças e medicamentos: existem algumas enfermidades, como a diabetes, que comprometem funções do organismo extremamente necessárias para tornar o sexo mais agradável, a exemplo da lubrificação da vagina. A depressão, por sua vez, reduz o ânimo e a capacidade de sentir e ver prazer nas coisas, além de geralmente ser tratada com medicamentos que, entre seus efeitos colaterais, reduzem o desejo sexual. O ideal é conversar com o médico para saber se é possível trocar a receita.

 

Contraceptivos: Alguns tipos ou marcas funcionam muito bem para uma mulher e não para outra. Na maioria dos casos, as reclamações costumam estar relacionadas aos monofásicos, que têm apenas um hormônio em sua composição”, afirma Carmita. Converse com o ginecologista e veja a possibilidade de começar a tomar outra pílula.

 

Disfunção na tireoide: Quando esta glândula produz pouco hormônio, dominui a disposição para atividades em geral e, consequentemente, para o sexo. Se acontece o contrário (hormônio em excesso), aumenta a hiperatividade e dificuldade de concentração. Em ambos os casos, o melhor iniciar um tratamento médico.

 

Álcool: ele é um inibidor quando consumido em excesso. “A tendência é perder a concentração, ter sonolência ou ficar mais irritada e impaciente, o que não combina com o momento a dois. Em casos crônicos, até a lubrificação vaginal é afetada”, diz a especialista.

 

Problemas emocionais: “Conflitos no relacionamento, perda de emprego, dificuldades financeiras e outras situações podem fazer com que a mulher se desligue um pouco das atividades sexuais”, afirma a especialista.

 

Televisão no quarto: sim, o hábito de entrar no quarto e ligar a televisão aumenta as chances de o casal perder a libido. Afinal, é um convite a fazer qualquer outra coisa, menos sexo, que depende de intimidade e de olhos nos olhos. “Alguns parceiros até deixam a tela ligada, mas é quase impossível se desligar totalmente do que está passando. Não há uma verdadeira entrega ao sexo”, completa a especialista.

 

Quando procurar um médico

 

Aqui, a questão tem a ver com a importância que cada um dá ao sexo. O ideal é que perda de apetite sexual, quando dure por um longo período, seja avaliada por um médico.

 

Mas isso não é uma regra, pois algumas mulheres têm libido baixa não se incomodam, observa Carmita. “Quando isso acontece, não há motivos para uma intervenção médica”, conclui.

 

1 comentário nessa matéria

  • ANA PAULA RAMOS ROTA

    ANA PAULA RAMOS ROTA

    Amei a matéria!!

    Responder - 17 de novembro às 20:42